Investir em Tesouro Direto e nos títulos públicos disponíveis através deles para pessoas físicas é uma das maneiras mais eficientes de proteger seu dinheiro em tempos de incerteza.

Rende mais que a Poupança, mais do que muitos CDB, LCI, CRI, CRA, debêntures e diversos outros tipos de títulos de renda fixa.

É muito acessível: pode-se começar com valores tão pequenos como R$ 30 ou 1% do valor do título na data da compra (portanto, esse valor depende do título que você vai comprar).

Além disso é muito mais seguro, até mesmo mais seguro que os títulos de renda fixa, de emissão bancária ou privada, têm proteção do Fundo Garantidor de Crédito.

Sim, porque os títulos públicos do Tesouro Direto são garantidos pelo Tesouro Nacional, o único devedor que dificilmente dará calote e que, em último caso, é o único que pode “imprimir” dinheiro para pagar as suas dívidas.

Ao investir em Tesouro Direto, estamos emprestando dinheiro ao governo, que vai usar esse dinheiro para suas atividades, como Educação, Saúde e Infraestrutura do País.

Ao comprar um título público, o governo fica devendo dinheiro pra você e promete devolver num determinado prazo acrescido de um certo valor de juros. Juros que podem ser calculados em diferentes modalidades, de acordo com o tipo de título que se comprou.

Este artigo é um curso de introdução ao Tesouro Direto e, a partir dele, você estará pronto para investir nessa segura forma de garantir o valor de seu dinheiro.


1. O QUE SÃO TÍTULOS PÚBLICOS DO TESOURO DIRETO E O QUE É O TESOURO DIRETO

A gente inicialmente pensa que o governo brasileiro só vai tomar dinheiro emprestado de grandes empresas e de pessoas muito ricas.

De fato, até um tempo foi assim.

Porém, em 2002, uma parceria entre o Tesouro Nacional e a então Bovespa (hoje B3) lançou o Tesouro Direto, cujo objetivo era facilitar às pessoas físicas o acesso a esses títulos e a toda segurança e rentabilidade que eles oferecem.

O Tesouro Direto, portanto, é uma parceria entre Tesouro Nacional e B3 para dar acesso aos títulos públicos às pessoas comuns através da internet.

Assim, você pode colaborar com o crescimento do país e ainda ter uma vantagem com isso.

Comprar um título público é comprar um título que diz: “O governo me deve uma grana e vai pagar com juros”.

Mas Tesouro Direto é seguro mesmo?

O senso comum nos faz desconfiar de empréstimos. Ainda mais para o governo. Será que é seguro?

Pra começo de conversa todo investimento em renda fixa é um empréstimo. Ao aplicarmos em CDB, compramos um título. Na verdade, é um empréstimo que fazemos ao banco, que promete pagar depois de um tempo com juros. Ele vai usar esse dinheiro para emprestar a terceiros a juros muito maiores do que os que pagará pra gente.

E, finalmente, emprestar para o Tesouro Nacional é emprestar para o mais comprometido dos devedores. Se o governo decretar moratória da dívida pública, pode acreditar, todo o resto dos títulos privados não estará em uma situação muito melhor. Por um simples motivo: o Tesouro Nacional, como explicamos no início, é o único devedor que pode imprimir dinheiro.

Claro, se ele tiver que chegar ao ponto de imprimir dinheiro para pagar os títulos públicos e honrar seus débitos, teremos outros problemas mais sérios na economia com que se preocupar. Mas que ele paga, ele paga.

Então o Tesouro Direto é mais seguro até que títulos bancários garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (uma instituição privada; e não pública, como muita gente pensa).


2. TÍTULOS PÚBLICOS: ATIVOS DE RENDA FIXA?

Todos os tipos de títulos públicos são ativos considerados, em certa medida, de renda fixa. Sobretudo se você segurar esses títulos até a data de vencimento.

Têm títulos que vencem daqui a 3 anos. Têm títulos públicos que vencem daqui a 35 anos. E, no meio disso, diversas datas intermediárias.

• Alguns deles, dá pra saber exatamente quanto teremos no fim do investimento: caso do Tesouro Prefixado.

• Outros que dá para saber que teremos um ganho sobre a inflação: caso do Tesouro IPCA+

• Outros ainda que nunca terão variação negativa durante o período entre a compra e o vencimento: caso do Tesouro Selic

Se você leu os itens acima com atenção, vai perceber que os dois primeiros casos, antes do vencimento, podemos ter variações negativas se resgatados antes do vencimento. Você vai ver, mais pra frente neste curso, porque a ideia de segurar os títulos até o vencimento é importante e o que faz o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA+ variar durante sua vigência.

Em todos os casos, podemos dizer que os títulos públicos do Tesouro Direto têm as seguintes características:

• Baixa volatilidade: alguns dos títulos (prefixado e IPCA+), como vimos, podem oscilar de valor. Mas ainda assim não será uma volatilidade tão grande quanto a da bolsa de valores, por exemplo. E quanto mais próxima a data de vencimento, menos ele oscila e mais se aproxima do valor combinado para pagamento na data final

• Segurança: o rendimento contratado é garantido no vencimento do título. Não há histórico de que o Tesouro Nacional não tenha honrado suas dívidas no Tesouro Direto

Usados na infraestrutura do país: o governo vai usar esse dinheiro para bancar a infraestrutura do país, com educação, saúde, estradas, produção e transmissão de energia e muitas outras coisas necessárias ao crescimento da nação

• Liquidez: desde que o Tesouro Direto esteja em negociação, podemos vender os títulos que compramos a qualquer momento. A liquidez dos títulos é garantida pelo Tesouro Nacional. Caso precisemos do dinheiro ou um de nossos títulos tenha valorizado de maneira espantosa, podemos optar por vendê-lo.

• Acessível: com R$ 30 já é possível começar a investir


3. ESCOLHENDO BANCO OU CORRETORA

Antes de você aprender com mais detalhes o que são os títulos públicos do Tesouro Direto, talvez você queira saber do que precisa para começar.

Primeiro, antes de tudo, saiba que, quando você comprar títulos ou mesmo parcelas tão pequenas como 1% deles, eles ficam custodiados pela B3, a bolsa de valores brasileira, sob o seu CPF. Então, mesmo que a corretora ou o banco através dos quais você os comprou desapareçam, você não os perde.

O primeiro passo é escolher essa corretora ou banco. Descubra se a corretora ou o banco cobra taxa de custódia. Prefira sempre uma que não cobre. A maioria das corretoras não cobra. Recentemente, os grandes bancos também adotaram essa postura de zerar essa taxa.

A B3 também cobra uma taxa de custódia atualmente e ela, por isso, é inevitável e é de 0,25% ao ano, atualmente (caso o valor seja inferior a R$ 10,00, este será acumulado para o semestre seguinte, ou para a data de encerramento, o que ocorrer primeiro. No caso de eventos de custódia ou venda antecipada, o valor será cobrado independentemente do mínimo).

Vantagem das corretoras

As corretoras, no entanto, têm a vantagem de terem plataformas mais ágeis, intuitivas e simples de investir em Tesouro Direto. Além do acesso a diversos outros investimentos vantajosos.

Prefira uma corretora grande com uma plataforma integrada ao Tesouro. Embora seja muito prático atualmente comprar títulos pelo site do Tesouro ou pelo aplicativo do programa.

As corretoras oferecem o acompanhamento da carteira de títulos públicos em seus sites, mas o acompanhamento pelo aplicativo do Tesouro Direto e também pelo site, é o mais completo.

Com informações detalhadas sobre a aplicação, os extratos incluem até gráficos para verificarmos se nosso investimento está desempenhando pior ou melhor que os juros contratados (você vai ver isso no final do tutorial para o uso do aplicativo do Tesouro Direto).

Uma vez aberta a conta na corretora escolhida, transfira o dinheiro que que investir, via TED bancário, e já proceda com a compra do título escolhido.

Mas, antes, você precisa aprender a diferença entre os títulos e qual é o melhor para você.

No tutorial do aplicativo do Tesouro Direto eu também ensino como usar o simulador que ajuda a escolher o melhor título para cada pessoa ou objetivo.

É importante, portanto, que você instale o aplicativo do Tesouro Direto em seu celular. Mas você só terá acesso às informações depois que se cadastrar no programa (na corretora de valores, dá para fazer o cadastro online).


4. TRIBUTAÇÃO DO TESOURO DIRETO

No Tesouro Direto, não tem como escapar do Imposto de Renda.

A alíquota incide sobre os ganhos, isto é, sobre os juros que você receber. E segue a tabela regressiva:

• Até 180 dias: 22,50%

• 181 até 360 dias: 20,00%

• 361 até 720 dias: 17,50%

• Acima de 720 dias: 15,00%

Esse é mais um motivo para ficar até o vencimento do título. O Leão come menos de seus juros depois de dois anos.

A outra possibilidade é a cobrança de IOF caso você fique com o título por menos de 30 dias. Ele incide sobre os juros e começa com uma alíquota de 96% no primeiro dia e chega a zero no trigésimo. Mas acho difícil que você escolha investir no Tesouro Direto para ficar menos que 30 dias. Nem faria sentido.


5. TIPOS DE TÍTULOS PÚBLICOS DO TESOURO DIRETO

Pra começar a entender o funcionamento dos Títulos Públicos do Tesouro Direto, precisamos entender como eles se classificam de acordo com a forma que pagam os juros pra você:

• Títulos públicos pós-fixados: pagam o valor da Selic mais uma pequena taxa fixa, por exemplo, “Selic + 0,03%”. Assim, se a Selic subir, o título passa a render mais. Se a Selic cair, passa a render menos. Mas sempre, em qualquer momento antes do vencimento, estará acumulando juros. É ideal para uma reserva de emergência, pois nunca apresentará um valor negativo. Sempre positivo.

• Títulos públicos prefixados: você já sabe quanto receberá no vencimento, uma vez que a taxa de juros é fixa. Por exemplo, 4% ao ano. Basta fazer um cálculo de juros compostos e você sabe quanto terá ao final. A dica é: cada título prefixado que você comprar valerá R$ 1000 no final. Por exemplo, se eu compro um título que custa R$ 820 hoje, já sei que no vencimento ele vai valer R$ 1000. Esta modalidade, antes do vencimento, cai de valor quando há expectativa de alta da Selic; e sobe, se há expectativa de queda da Selic. Mas, repito: no final ele valerá sempre R$ 1000.

• Títulos públicos mistos: esta divisão não é feita no site do Tesouro Direto, mas na finalidade de efeitos didáticos, eu prefiro dividir assim mesmo. Em tese ele é pós-fixado, uma vez que só dá para saber quanto teremos no vencimento, pois envolve um fator variável que é a inflação do período. Esses títulos pagam a inflação (variável) mais uma taxa (fixa): por exemplo IPCA+2,7% ao ano. Então, sabemos que o título pagará o valor da perda do poder de compra do dinheiro mais 2,7% ao ano, fixos. É a garantia de que nosso investimento sempre estará acima da inflação. Antes do vencimento, a exemplo dos títulos prefixados, se há expectativa da queda da Selic, ele valoriza e, se há uma expectativa de alta da Selic, ele desvaloriza (antes do vencimento; no vencimento ele paga exatamente a taxa combinada na hora da compra do título).

Há ainda uma subdivisão muito importante tanto para os títulos prefixados quanto para os mistos acima

Com pagamento de cupons semestrais de juros ou não?

• Com pagamento de cupons semestrais de juros

• Sem pagamentos de cupons semestrais de juros

Já vou adiantando uma regra muito importante para o caso de você querer usar os títulos públicos do Tesouro Direto para alcançar a independência financeira.

Prefira os sem pagamentos de cupons semestrais: receber juros antecipadamente implica desconto de imposto de renda na fonte. Enquanto o dinheiro está no Tesouro Direto, ele não sofre incidência de imposto. Raciocine comigo, você está colocando dinheiro para que ele renda e alcance um maior valor ao longo de um tempo relativamente grande. Se ele sai do tesouro em forma de cupom de juros, terá a alíquota descontada. Aí você tem que reinvestir o dinheiro, mas já é um valor do qual o leão comeu um pequeno pedaço. Ao longo do tempo, esses pequenos pedaços de alíquota vão fazer falta.

Assim, só depois de alcançar a independência financeira escolha a modalidade com pagamentos de juros semestrais: os juros semestrais servem aí como uma remuneração periódica, que você pode reinvestir ou não.


6. MAS QUAIS SÃO OS TÍTULOS DISPONÍVEIS NO TESOURO DIRETO?

Cada um desses títulos tem nomes específicos.

A nomenclatura mudou recentemente. Antes era uma sopa de letrinhas que ninguém entendia.

Mas como ainda muitas vezes os especialistas usam essa sopa de letrinhas para se referir a eles, vou incluí-las entre parênteses:

1.Tipos de títulos públicos prefixados

• Tesouro Prefixado (LTN)

• Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F)

2. Tipos de títulos públicos pós-fixados

• Tesouro Selic (LFT)

3. Tipos de títulos públicos mistos

• Tesouro IPCA+ com juros semestrais (NTN-B)

• Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

No site do Tesouro Direto vamos encontrar todos esses tipos de títulos públicos em diferentes anos de vencimento.

Quais são os títulos públicos que nos interessam

Se você ainda não atingiu a independência financeira, nem se preocupe com os títulos públicos com juros semestrais. Não nos interessam para o momento.

Concentre-se nos sem juros semestrais:

• Tesouro Selic

• Tesouro IPCA+ (sem cupom de juros)

• Tesouro Prefixado (sem cupom de juros)


7. DE QUANTO DINHEIRO PRECISO PARA COMEÇAR NO TESOURO DIRETO

O menor valor possível para começar a comprar títulos públicos é de pelo menos 1% do valor total do título, mas esse valor não pode ser inferior a R$ 30.

Se o título custar, por exemplo, R$ 2900, 1% disso é R$ 29. Logo, terei que comprar 2% desse título pelo menos, ou R$ 58.

Como eu sei o preço dos títulos

Os títulos públicos têm seus preços divulgados de forma atualizada no site do Tesouro Direto e no aplicativo do Tesouro Direto.

Na hora de comprar (mostro como fazer isso no tutorial do aplicativo, mais adiante), você vai digitar o valor que deseja investir e o próprio aplicativo faz o ajuste necessário para que o valor corresponda a uma porcentagem “redonda” do título: 1%, 2%, 3% e assim por diante.


8. QUAIS TIPOS DE TÍTULOS PÚBLICOS DO TESOURO DIRETO DEVO ESCOLHER?

Todos os tipos de títulos públicos valem a pena se considerarmos sua segurança e rentabilidade.

Resta saber qual vale a pena para nossas necessidades.

Tudo depende do seu objetivo:

Podemos optar por diferentes tipos de títulos públicos ao mesmo tempo:

• Tesouro Selic para uma reserva de emergência: como ele sempre vai acompanhar a taxa de juros da economia, nunca perderemos dinheiro, mesmo se precisarmos resgatar o valor antes do vencimento. Nesse sentido, podemos dizer que ele é o mais seguro e conservador dos títulos

• Tesouro IPCA+ para começar uma reserva previdenciária particular: coisa para longo ou longuíssimo prazo com a garantia de sempre ganhar da inflação. Uma vez atingido o objetivo financeiro, só então vale a pena ir para uma modalidade com cupons semestrais

• Tesouro IPCA+ com juros semestrais: ideal para colocar todo o acumulado em títulos sem cupom para começar a usufruir de nossa reserva previdenciária, recebendo juros semestralmente

• Tesouro Prefixado: quando achamos que os juros (Selic) vão cair, pode ser uma boa aposta. Também para quando sabemos exatamente de quanto dinheiro precisamos no futuro. Digamos que daqui a cinco anos eu precise de R$ 5 mil. Nesse caso eu compro 5 títulos prefixados, pois eu sei que, ao final, eles estarão custando isso (menos a alíquota de 15% sobre os ganhos que fica para o Leão)


9. PORQUE A EXPECTATIVA DA SELIC INFLUENCIA O TESOURO IPCA+ E O PREFIXADO?

A influência da Selic só acontece antes do vencimento e pode influenciar sua decisão de levar o título até essa data ou não.

Por exemplo, se o valor do seu título subir, você pode decidir vender para antecipar o seu lucro e aplicar em outra oportunidade.

Pra dar essa explicação, vou recorrer ao tesouro prefixado, cujos títulos sempre custam R$ 1000 ao final.

Vou dar um exemplo bem hipotético.

Compramos hoje um título público ao preço de R$ 500 e que por ser prefixado custará R$ 1000 no vencimento, daqui a dois anos.

A Selic está, neste exemplo, em X% ao ano. A Selic está ligada aos juros do título.

Os juros do título é o tamanho do passo que o título dá para chegar de R$ 500 a R$ 1000 em dois anos.

Aí acontece alguma coisa na economia e vem uma expectativa de que a Selic venha a ser reduzida de X% ao ano para (X-1)% ao ano.

O passo que faz o título ir de R$ 500 a R$ 1000 em dois anos está menor.

Se ele andar nesse passo, não chegará a R$ 1000 em dois anos. Mas tem que chegar.

O que é preciso fazer? Colocar o título mais pra frente: aí, mesmo com um “passo” menor ele chegará lá. Então, automaticamente, o título passa a valer R$ 600.

O mesmo acontece se houver a expectativa de a Selic subir. Só que aí o passo está maior. Para o título chegar a R$ 1000 na data certa, ele tem que ser colocado mais para “trás”. E, então, ele desvaloriza.

Se meu título valorizar, vale a pena liquidar antecipadamente?

Você comprou um título IPCA+ e ele valorizou bastante porque a Selic caiu e continua em queda.

Vale a pena liquidar os títulos e pegar o dinheiro?

Depende. Você sabe o que fazer com essa grana? Há uma oportunidade que esteja pagando mais juros que os contratados para esse título?

É o famoso risco de oportunidade. Se você deixar o título onde está ele acabará normalizando essa valorização toda e, no final, você recebe o combinado, sem muitos sustos.

Se não deixar, poderá colocar em outra aplicação que talvez não lhe dê tanto retorno. Mas, se não fizer isso, estará perdendo alguma chance interessante, por exemplo, no mercado de ações ou em algum fundo.

Às vezes, vale a pena deixar o dinheiro investido no Tesouro Direto mesmo depois de uma boa valorização e mesmo sabendo que, com o passar do tempo, o título tende a se normalizar e se igualar à curva de juros contratada.


10. OS RISCOS DE CADA TÍTULO

• Tesouro Selic: é o que apresenta menor risco de volatilidade. Se os juros ficarem muito baixos, perde-se muito pouco em liquidar os títulos. Por isso é considerado o mais conservador e seguro dos três.

• Tesouro IPCA+: é o que mais garante o poder de compra do dinheiro em seu vencimento, mas se o investidor precisar do dinheiro antes pode ter que vender o título a um preço abaixo do esperado, no caso de haver uma política de juros crescentes

Tesouro Prefixado: mesmo caso anterior, tendo o agravante de que se os juros subirem e a inflação também, o poder de compra do dinheiro não está totalmente protegido

11. VAMOS SIMULAR?

Considerando que nossa ideia aqui é alcançar um certo nível de independência financeira, sugiro que façamos uma simulação para estimarmos quanto podemos ganhar investindo em títulos públicos ao longo do tempo.

Vamos imaginar alguém que comece a pensar nisso hoje, aos 20 anos, e comece guardando no Tesouro Direto, comprando títulos IPCA+ com vencimento em 2045.

Ou seja, se ele só tirar esse dinheiro no vencimento, vai ser só daqui a 25 anos que ele verá a cor da grana.

Claro, um rapaz de 20 anos não começa poupando R$ 2 mil reais por mês. Talvez comece com R$ 100, talvez com R$ 200. Mas ao longo desses 20 anos ele vai aumentando suas economias mensais. Mas vamos dizer que, em média, ele vai conseguir guardar R$ 2000 mensais, sem falha, até seus 45 anos.

Então, tudo o que precisamos fazer é ir até o simulador do site do Tesouro Direto e jogar as informações: https://www.tesourodireto.com.br/simulador/ 

Teríamos os seguintes resultados

• Data de resgate: 15/05/2045

• Valor inicial investido: R$ 2.000,00

Aportes Mensais: 301 x R$ 2.000,00

• Valor total investido: R$ 604.000,00

Resultado estimado

• Valor bruto: R$ 1.942.961,30

• I.R.: - R$ 200.970,01

• Taxa da B3: - R$ 40.681,16

• Valor líquido: R$ 1.665.144,00

Isso sem se arriscar na bolsa de valores ou em outra variedade de renda variável, como imóveis.

Note que, como a simulação foi feita no Tesouro IPCA+, foram considerados dados estimados, como inflação e juros Selic, pois não tem como saber como eles estarão no futuro. Segundo o site do Tesouro Direto: “As simulações são baseadas em projeções de mercado. Isso não garante resultados futuros.”

Porém com os mesmos parâmetros, a título de comparação, veja o quanto renderiam outros investimentos clicando no banner abaixo:


12. CONCLUSÃO

Como pudemos ver o Tesouro Direto pode ser uma boa opção para proteger seu dinheiro, seja você uma pessoa que investe em renda variável que quer uma proteção segura para seus ganhos turbinados da bolsa ou pra você que quer essa segurança para a maior parte de seu capital sem abrir mão de ganhos superiores.

O Tesouro Direto ainda nos dias de hoje é uma escolha interessante para unir liquidez, ganhos no longo prazo e certeza de poder contar com suas economias. E, se os títulos forem levados até o vencimento, os riscos são nulos.

Escrito por Luiz Sato

Segundo Sato sua missão é transmitir conhecimento avançado aos traders brasileiros para aplicarem as metodologias e as ferramentas disponibilizadas ao seus alunos aumentando as probabilidades de ganhos nos mercados que são altamente competitivos e dominados principalmente pelos HFT´s (Robôs de alta frequência).

Deixe seu comentário

Comentários

Edson Ortiz03/05/2020

muito boa explicação do tesouro direito. Pergunta posso aplicar e resgatar dentro de alguns dias . os juros são pro rata? ou tenho que espera o vencimento. tamo junto .

Soraia Alvarez Alvarez03/05/2020

Olá, Sato, bem claro seu artigo e vai me ajudar a investir corretamente. Sou aluna raiox, juntamente c meu esposo. Montamos a carteira Kamikasi e tenho um dinheiro em poupança que pretendo aplicar em tesouro direto. Muito obrigada, você já mudou nossa vida nos dando perspectivas de um futuro melhor para nós e repartindo também com os nossos. um grde abraço, Soraia

JOÃO Batista 05/05/2020

Grande Sato você realmente é iluminado. Excelente artigo, linguagem simples de entender e clareza nas explanações. Já li livros falando de Tesouro Direto que não contém 10% de conteúdo comparado ao seu. Continue sempre assim seguindo à risca a lei da abundância pois será recompensado em dobro por isso e que Deus ilumine o seu caminho e de toda a sua família. TMJ.  

Raphael Araujo05/05/2020

Obrigado por mais este conhecimento professor! Grande abraço!

guilherme soares 08/05/2020

satinho muito obrigado pela a aula tinha muita dúvida sobre o tesouro não sabia como funcionava agora já estou por dentro tamo junto satinho

Ederaldo Bueno de Macedo Junior08/05/2020

Obrigado, muito bom o conteúdo e esclarecedor!!!

Augusto Miranda08/05/2020

TMJ Sato e Osney. Raio X é FODA!!!!11

Murilo Pirri Alves09/05/2020

Boa noite , Satinho ! Esse foi o primeiro post que eu li em seu blog , mas posso dizer que assim como o Raio-x , ele abre os olhos ! Muito bom o conteúdo, bem explicado e didático . Obrigado por dar parte de seu tempo para explicar e disponibilizar esses conteúdos incríveis ! Vejo você na aula de domingo , até lá. #TMJ Sato e Osney !!!!

Vicente09/05/2020

Show Sato! Bem simples e objetivo. Obrigado por compartilhar informações que adquiriu ao longo de sua vitoriosa carreira, aprendizado é a verdadeira riqueza. TMJ.

Renata Ferrari09/05/2020

Muito esclarecedor esse artigo sobre tesouro direto. Não sabia ao certo qual a diferença entre eles, mas depois da leitura já decidi em qual vou investir. Sou sua aluno no Raio X Preditivo e espero ganhar com trade e investir uma parte no Tesouro. Também estou com a carteira Kamikase. Gratidão.

Carlos Alberto Ferreira da Costa10/05/2020

Parabéns Sato pelas informações e estar nos ensinando sobre o mercado financeiro. Obrigado.

wagner bruno laurindo11/05/2020

Tamo junto Sato ! Obrigado por mais um conteúdo disponibilizado , que Deus continue te abençoando forte abraço ! Espero conhecer você e o Osney e toda equipe do Raiox ! Valeu

FABIO VENANCIO DE ANDRADE14/05/2020

Parabéns Sato! Excelente explicação!

Abel24/05/2020

Valeu grande Sato. Obrigado pelo artigo.

Marcio05/07/2020

Claro e direto ao ponto!

Douglas Rodrigues Farias22/08/2020

Parabéns Sato por este maravilhoso artigo. Poderia fazer um artigo sobre outras formas de rentabilizar o dinheiro ganho no Day Trade, além do tesouro direto?

Daniel Araújo de Oliveira06/05/2021

Excelente artivo! Ajudou muito a esclarecer algumas dúvidas, parabéns! Sugestão pra outro artigo: Como especular com as taxas de juros ou algum outro indicador que unido com os conceitos do Raio X nos ajude a escolher o melhor título para médio e longo prazo. De repente até antecipar/se proteger de alguma bolha de mercado ou pegar uma recuperação de mercado. Obrigado, Sato!

PREDADOR PREDITIVO23/08/2021

PARABÉNS SATO MOSTRO GRATIDÃO PELOS ENSINAMENTOS , TENHO ORGULHO DE FAZER PARTE DO EXÉRCITO RAIO X PREDITIVO . RAIO X PREDITIVO MAIS DO QUE UM MÉTODO UMA NOVA VISÃO .

MARCELO MEDEIROS28/08/2021

FALA SATO!! ÓTIMO TUTORIAL, AGRADEÇO POR COMPARTILHAR SEU CONHECIMENTO